30 Novembro, 2017
Damos conhecimento que a agenda de 2018 e a Enfermagem em Foco n.º 109 chegarão em conjunto a sua casa.

 

Caro (a) colega

 

O ano de 2017 foi repleto de acontecimentos positivos e menos positivos mas, seguramente desafiante.

Em Março e sobre a ameaça de dois dias de greve obrigámos o Ministro da Saúde a sentar-se à mesa das negociações e a assumir compromissos.

Com esses compromissos e agenda negocial “na mão” convidámos os outros sindicatos para uma reunião conjunta que se realizou no inicio de Abril. Também aqui foram assumidos compromissos – a resolução das matérias assumidas pelo Ministro – que rapidamente aquelas estruturas sindicais romperam.

O que aconteceu a partir daí é do conhecimento de todos. O nosso sindicato foi alvo de um ataque cerrado desde julho até meados de Outubro. Discursos demagógicos e populistas, apelos na rua a uma união que o SEP promoveu e que outros quebraram, tal como comprova a acta pública que saiu da aquela reunião de 6 de Abril.

Alguns dos nossos sócios enviaram-nos mensagens de força mas, principalmente, a darem o seu apoio a uma estratégia coerente e responsável. A todos os nossos sócios que sempre acreditaram ou que mesmo vacilando continuaram a ver e a sentir no SEP, o seu sindicato, o nosso muito obrigado.

Mas é dessa união que vos gostaria de falar e para, em primeiro lugar, agradecer a lealdade, a serenidade e a elevação dos sócios, delegados e dirigentes que fazem deste sindicato uma grande organização.

Em 2017 conseguimos os objectivos a que nos propusemos ainda que alguns deles de aplicação faseada no tempo e, o mais importante, é que finalmente conseguimos harmonizar os direitos e deveres de todos os enfermeiros, independentemente do vinculo.

O ano que se aproxima não será menos desafiante. Já em Janeiro vamos iniciar a revisão e negociação da nossa carreira.

E exigimos, em 2018 como em 2010 sem sucesso por imposição do governo e uma crise financeira que se iniciava, a resolução de vários problemas. Enfermeiros com vários anos de exercício profissional a ganhar praticamente o mesmo que aqueles que ingressam, um início de carreira que nos desvaloriza, uma prática diferenciada e especializada que não se compagina com mais 150€, as funções de gestão que também precisam ser valorizadas, a revisão das condições para a aposentação e formas de minimizar o risco e a penosidade inerente às funções.

Sobre as propostas para estes problemas temos que encontrar as melhores soluções tendo em conta que a lei vigente impõe regras para a construção das grelhas salariais, para a distribuição de valores remuneratórios nas posições remuneratórias, para a admissão de enfermeiros e para a abertura de concursos de promoção não esquecendo o dispositivo organizacional do SNS e a imposição de equilíbrios orçamentais.

Estão em curso alterações, também a nível da regulação profissional, que terão implicações na enfermagem.

Caro(a) colega

Em 2018, a carreira que teremos será aquela que todos nós decidirmos.

Para isso está agendado um Debate para 16 de Dezembro, em Lisboa, e, outros se seguirão.

O processo negocial poderá segui-lo através dos meios de comunicação e informação mas, mais importante, pelo contacto de proximidade que os delegados e dirigentes proporcionam e privilegiam. A outra garantia é a da transparência e da verdade que seguramente nos reconhece.

Para si e para todos os seus mais próximos,

Festas Felizes e um Bom Ano, pessoal e profissional